Fotografar bem não é fácil, exige paciência e conhecimentos técnicos. As câmeras possuem alguns mecanismos básicos que devem ser dominados, são eles: diafragma, obturador e ISO. Famoso 3 pilares da fotografia.


Aqui explicaremos o funcionamento de cada componente:

1 – Diafragma

O diafragma é basicamente o diâmetro de abertura da lente das câmeras fotográficas. É quem permite a passagem da luz e realiza o controle da quantidade de luz que entra na câmera. Ele funciona como uma janela, ou seja, quanto mais aberto, mais luz será captada pelo sensor e quanto menos aberto, menos luz. 

A medida do diafragma é conhecida como f/números e é feita através de uma série numérica, com uma sequência padrão: f/1.4, f/2, f/2.8, f/4, f/5.6, f/8, f/11, f/16, f/22 e f/32. Quanto maior o valor, mais fechado estará o diafragma, o que resulta em uma imagem mais escura. Enquanto maiores aberturas, como o valor f/2.8, capturam imagens mais iluminadas.

Aberturas do diafragma

O diafragma está ligado a outras características da fotografia.

Apesar de as câmeras possuírem em suas lentes o controle do foco, que é dar maior nitidez para um determinado objeto na fotografia, alterar a abertura do diafragma também pode modificar a profundidade de campo. Para encontrar o foco perfeito da sua fotografia, é muito importante dar atenção ao diafragma, ele interfere diretamente em sua fotografia.

pilares da fotografia
Diafragma – Profundidade de campo

O ideal é aprender a trabalhar o diafragma junto com o obturador, pois um depende do outro.


ISO diafragma obturador

2 – Obturador

O obturador controla o tempo de incidência da luz na câmera, através de um mecanismo de abertura e fechamento (semelhante a uma cortina, assim como o diafragma). Para a luz ser captada pela máquina fotográfica é necessário que essa “cortina” se abra.

Quanto maior o número da velocidade do obturador, menor será o tempo de exposição e menos luz irá entrar (fechamento rápido da cortina). Isso permite a captura de imagens em velocidade sem borrões.  

Em contrapartida, quanto menor o número da velocidade do obturador, maior será o tempo de exposição e mais luz irá entrar (fechamento lento da cortina). Isso permite borrões.

Os tempos de exposição, como são conhecidas as medidas do obturador, são muito variados, sendo divididos em velocidade alta, média e baixa.

  • as altas são: 1/8000, 1/4000, 1/3200, 1/2500, 1/2000, 1/1600, 1/1250, 1/1000, 1/800,1/640, 1/500, 1/400, 1/320, 1/250;
  • as médias: 1/160, 1/125, 1/100, 1/80, 1/60, 1/50, 1/40, 1/30 e;
  • as baixas: 1/25, 1/20, 1/15, 1/13, 1/10, 1/8, 1/6, 1/5, 1/4, 1/3, ½ 1, 2, 5, 10, 30 e por aí vai.
ISO diafragma obturador; pilares da fotografia
Obturador – Velocidades

Esses números simbolizam o tempo, sendo que o número 1 antes da barra equivale a um segundo. Ou seja, 1/100 significa que o tempo de exposição será de 0,01 segundo.

Algumas câmeras permitem clicar uma primeira vez para abrir o obturador e uma segunda vez para fechá-lo. Lembrando, quanto maior o tempo de exposição da foto, significa que mais lenta é a velocidade do obturador, e quanto menor o tempo de exposição da foto, significa que mais rápido é a velocidade do obturador.

O tempo de exposição está diretamente relacionado com a quantidade de luz disponível no ambiente. Então para fotografar em um dia ensolarado, o ideal é diminuir o tempo de exposição. Deste modo as chances de “queimar” a fotografia é mínima.

A velocidade do obturador também pode ser utilizada para outras técnicas, por exemplo, as clássicas fotos de corrida da Fórmula 1, onde é possível ver o “rastro” do carro. Isso acontece porque, ao aumentar o tempo de exposição, fotografamos o objeto em mais de um local, já que ele está em movimento.

Obturador: maior tempo de exposição
Obturador: menor tempo de exposição

Em termos mais simples, o obturador serve para para “congelar” a imagem, ou fazer o efeito de “rastro”, além da função de controlar o tempo de exposição para entrada de mais luz ou menos luz.


ISO diafragma obturador; pilares da fotografia
Variação de ISO – Via | Fstoppers

3 – ISO

ISO é a sensibilidade do sensor à luz. Quanto menor o número, menor é essa sensibilidade. Um ISO baixo significa que é preciso mais luz para a fotografia ficar clara. Se o ISO é aumentado, a sensibilidade do sensor aumenta e com menos luz é possível captar a imagem desejada. 

ISOs baixos, como 100 ou 200, são mais usados em situações mais claras ou quando a câmera está fixada em um tripé. Na ausência de luz ou necessidade de aumentar a velocidade do obturador, você precisará compensar aumentando o ISO. Geralmente essas situações são apresentadas em cenários escuros com pouca luminosidade, sem tripé, onde não é permitido acender luzes e nem utilizar o flash. Situações com o objeto a ser fotografado em constante movimento e o obturador em grande velocidade.

O problema em aumentar o ISO é o ganho de ruído, pontinhos granulados presentes na foto. Quando fazemos isso, estamos “aplicando um ganho” na iluminação recebida no sensor, e isso pode prejudicar a qualidade da foto.

ISO diafragma obturador; pilares da fotografia

Parece fácil, mas é difícil, pois cada situação pode exigir alterações nas outras funções da câmera, como no obturador e no diafragma, um sempre compensando o outro.

Em geral, é indicado que não aumente a sensibilidade da luz nas câmeras. Entretanto existem situações que, para manter a fotografia boa é necessário fazer isso.


Veja também