Você sabe que é possível transformar uma fotografia [impressa ou digital] em quadro?

Alguns, provavelmente, nem imaginavam que isso era possível. Outros, não conhecem as variáveis que estão por trás do processo. Imprimir a foto numa impressora doméstica e levar a uma molduraria certamente vai trazer um resultado com menor durabilidade e qualidade.

Por quê?

Uma imagem impressa perde sua qualidade com o passar do tempo caso não seja bem preservada. Agentes externos como luz (raios UV) e umidade (favorece o aparecimento de fungos/mofo) degradam a fotografia; tintas e impressoras de menor qualidade também aceleram esse processo. 

Nos deparamos, então, com 3 questões importantes: a qualidade da imagem em si, a impressão e o tipo de acabamento utilizado.

Em parceria com a Revista de Arte Contemporânea Arteref, separamos um passo a passo do que fazer para transformar uma fotografia em quadro:


1) Selecione uma imagem com boa qualidade

Para termos uma imagem com boa qualidade precisamos estar atentos aos seguintes elementos:

Resolução

A Resolução descreve o nível de detalhes que uma imagem comporta ao ser exibida ou impressa em um determinado dispositivo (monitor ou impressora). Ela pode ser medida em PPI: pixels por polegada (Pixels Per Inch – em monitores e telas) ou DPI: pontos por polegada (Dots Per Inch – em impressão).

Quanto maior o PPI ou DPI, maior a densidade de pixels em um quadrado de 1 x 1 polegada (que equivale a 2,54cm x 2,54cm), ou seja, uma imagem de 10 x 10 polegadas com 300 DPI vai possuir 9 milhões de pixels/pontos (3.000 x 3.000). O grande segredo dos dispositivos de alta resolução (impressoras e monitores), é que o espaço de 1 polegada comporta uma quantidade enorme de pontos.

Resolução de imagem; DPI
Resolução de imagem; DPI

Tamanho

É essencial entender que a resolução da imagem está diretamente relacionada com seu tamanho (altura e a largura) somado a quantidade de pixels inserida nela.

Uma imagem com quantidade altíssima de DPIs porém de tamanho pequeno resultaria num quadro pequeno caso não fosse feita uma interpolação da imagem, ou seja, ampliação sem perder qualidade.

Saiba como ampliar uma imagem sem perder a qualidade


2) Use uma impressora profissional

Por trás de uma boa impressão existem 3 elementos fundamentais:

Tipo de impressora

As impressoras não são capazes de realizar a mistura de cores, assim como fazemos quando vamos pintar uma parede, por exemplo. Além disso, não possuem um cartucho com tinta branca (com exceção de algumas impressoras UV). Para que seja possível reproduzir tonalidades diferentes, como rosa ou azul bebê, as impressoras utilizam uma velha técnica conhecida como retícula (dithering) ou “pontilhamento”.

Para criar tonalidades mais claras a impressora simplesmente deixa as cores “mais pontilhadas” e os pontos “mais espaçados”. Dessa forma as cores parecem mais claras aos nossos olhos por causa da mistura com o fundo branco do papel. 

Impressoras comuns trabalham com 4 cores (CMYK ou ciano, magenta, amarelo e preto), não sendo possível reproduzir todo o espectro visível de cores. Por isso, uma impressora de 8, 10 cores produzirá um resultado mais preciso em termos de qualidade de imagem. 

Epson Stylus Pro 9900
No Laboratório usamos uma Epson 9900, 10 cores.

Tipo de tinta

O melhor tipo para ser utilizado é a tinta pigmentada.

Diferente da tinta corante, as tintas pigmentadas não penetram no papel, elas “grudam” sobre a superfície. Assim, cada gota de que toca o papel se mantém no local exato em que foi despejado.

Além disso, elas são muito mais resistentes à luz e à água, o que é excelente para a conservação correta das obras de arte.

Existem tintas que são resistentes à ação dos raios UV e não descolorem, isso é importante caso queira expor suas obras ao ar livre.


Tipo de papel

Para a impressão de fotografias em altíssima qualidade, o papel fine art – composto de fibras naturais (principalmente de algodão ou de alfa-celulose) – é o mais indicado. 

Dentro do universo dos papéis fine art existem aqueles cuja composição leva diferentes tipos de fibras e aqueles que possuem diversos tipos de porosidade e texturas.


3) Escolha o acabamento da imagem

A escolha do acabamento será crucial para a preservação de sua imagem transformada em quadro.

Metacrilato

metacrilato é um processo no qual uma imagem é embutida entre duas placas de acrílico.

metacrilato 5 mm detalhe; transformar fotografia em quadro

A fotografia é fixada entre as placas através de um filme adesivo de poliéster ou polímero elástico (material que varia conforme o produtor).

Esse processo é uma excelente opção de acabamento na medida que proporciona: grande proteção da imagem em relação aos agentes oxidantes; mais profundidade e cores vibrantes graças à refração da luz no acrílico, além de dispensar o uso de moldura.


Metal Print HD

Metal Print HD é um tipo de acabamento premium onde imagens são impressas em metal (alumínio).

A principal forma para esse processo ser realizado ocorre via sublimação, onde a imagem é inicialmente impressa num papel de transferência com tintas especiais.

A foto é cortada no tamanho correto, presa na parte superior de uma folha de alumínio revestida e colocada sobre uma prensa térmica. O calor e a pressão fazem com que a tinta se transforme em gás e se ligue ao metal (sublimação).

Metal Print HD

Este é o mesmo processo usado na indústria de roupas, onde estampas são inseridas em diferentes tecidos.

Como a tinta é infundida no alumínio, a imagem fica isolada de arranhões, água e agentes oxidantes. Seu revestimento é extremamente duro, facilmente lavável e também dispensa moldura.


Caso tenha ficado alguma dúvida sobre como transformar uma fotografia em quadro, escreva nos comentários ou entre em contato com nossa equipe.

Veja também sobre acabamentos: